O dom profético

Lição 2

03 a 10/01/2009
 


Verso para memorizar: “Então, disse: Ouvi, agora, as Minhas palavras; se entre vós há profeta, Eu, o Senhor, em visão a ele, Me faço conhecer ou falo com ele em sonhos” (Números 12:6).

1.        Introdução – santo sábado, dia da aliança entre criaturas e o Criador

O que é um profeta? O que é uma profecia? Para que os profetas? E para que as profecias?

Profeta é uma pessoa especialmente escolhida por DEUS para através dele comunicar-se com o Seu povo e com o mundo. É um agente humano, consagrado a DEUS, temente a DEUS, que faz Sua vontade, cujos frutos podem ser provados e serão aprovados, e que tem intensa participação no plano da redenção da raça humana. Afinal, é preciso haver comunicação entre DEUS e homens, e entre homens e DEUS. Uma vez que essa comunicação está interrompida pelo pecado, DEUS precisou providenciar alguns meios para Se dar a conhecer aos seres humanos. Na verdade, podemos dizer, os profetas são pessoas mais próximas a DEUS, mas, mesmo assim, pecadoras. Ou seja, são pessoas pecadoras mas que não afundaram tanto no pecado, elas são dedicadas a fazer a vontade de DEUS, eis então que com essas pessoas DEUS ainda pode Se comunicar, embora por meio de sonhos e visões.

As criaturas perfeitas que não caíram são mais que os nossos profetas. Com elas DEUS Se comunica, digamos, cara a cara, sem nenhuma interferência. Com os profetas Ele fala por meios indiretos, e com as pessoas que estão ainda mais distanciadas d’Ele que os profetas, Ele não fala diretamente, mas, por meio desses profetas. É uma situação complicada a nossa, a de ter tanta dificuldade quanto a comunicação com quem nos criou.

E o que é profecia? Todos querem ter capacidades de prever o futuro. Isso é algo que atrai as pessoas, tanto na busca de predizer quando na busca de conhecer o futuro.

É pela falta da capacidade em prever com segurança o futuro que temos no mundo muitas coisas nocivas. O jogo por exemplo é uma delas. O ser humano se pudesse prever o futuro, não jogaria. As loterias e apostas idem. Elas só fazem sentido num mundo de pecadores, onde haja pessoas ambiciosas e que querem ganhar muito, de maneira fácil. Muitos são aqueles que ganham dinheiro predizendo o futuro das pessoas, ao menos dizendo que fazem isso. Os horóscopos são outro exemplo. Videntes nesse mundo é que não faltam. Eles pretendem conhecer o futuro, e suas predições sempre são no sentido de que depois os fatos coincidam com várias possibilidades. Portanto, eles jamais dizem algo muito direto, sempre por meio de palavras misteriosas que, depois alguns fatos sempre se encaixam com o predito.

Mas esses pretendentes profetas são falsos. As suas predições se encaixam falsamente, e muitas vezes nem tem como encaixar fatos com predições. É a história daquele famoso vidente que estava programado para dar uma palestra sobre o futuro da nação. Um pouco antes do início da palestra apareceu um cartaz na porta do salão dizendo o seguinte: “o famoso vidente mandou avisar que não poderá comparecer à palestra de hoje por causa de imprevistos.”

A ciência também trabalha no sentido de desenvolver conhecimento para fazer previsões, ou obter previsibilidade. E a ciência o faz com método, buscando descobrir as leis que permitam previsibilidade. Um bom exemplo é a meteorologia. O grau de acerto dela vem crescendo devido ao aumento do conhecimento e do desenvolvimento de equipamento para estudar os fenômenos climáticos. Essa é a chamada previsibilidade científica, e ela tem sido muito útil à humanidade. E há também as tendências lógicas, que podem ser previstas. Por exemplo, institutos de pesquisa prevêem com razoável precisão quanto será a inflação futura, quanto será a produção de um país, etc. Mas isso são tendências que se tornam realidade, e se conhecermos as devidas influências, podemos antever os fatos.

Mas temos também as profecias. Há muitos profetas pelo mundo atualmente, e outros que já morreram ainda são respeitados pelas suas predições. Um deles é Nostradamus, famoso pelas suas predições que só depois de algo acontecer os fatos se encaixam com o que ele predisse. Antes desses fatos ninguém sabe ao certo o que irá acontecer. Foi profetizado por DEUS que no fim haveria grande número de falsos profetas. Ao longo do tempo sempre eles atuavam por aí, mas nesses tempos são muitos. Alguns fazem predições que realmente acontecem e com detalhes. Mas devemos ter cuidado, pois satanás pode estar por detrás deles, tanto nas predições como nas ocorrências, e fazer acontecer os fatos previstos. Por exemplo, ele pode dizer que vai haver um desastre aéreo, depois satanás dá um jeito de derrubar um avião, e todos ficam impressionados como o tal profeta soube prever o fato. Assim qualquer um é profeta. Por isso a recomendação bíblica é prová-los pelos seus frutos, para saber se são falsos ou se são profetas de DEUS. Esses devem viver de acordo com as orientações bíblicas, ou seja, serem fiéis a DEUS, porque o Criador jamais usará uma pessoa que não O obedece para ser Seu fiel porta-voz. DEUS jamais irá falar por meio de homens ou mulheres que não sejam fiéis aos seus princípios. Daí a recomendação de fazer mos prova, e facilmente se descobrirá a quem esse ou aquele profeta representa.

Profecia bíblica não é nada do que se chama profecia comum por aí. A profecia bíblica, costumo dizer, é escrever a história antes dela acontecer. Escrever tal como ela ainda irá acontecer, e sem interferir no que iria acontecer, isto é, permitir a atuação do livre arbítrio. Na profecia bíblica se inclui o que DEUS fará, aí, para DEUS, já não é profecia, mas sim, plano de ação. Ou seja, nos negócios dos seres humanos DEUS previu fatos e já antecipou também o que Ele vai fazer, quais são os Seus planos. Esses planos estão inseridos nas profecias do que iria acontecer entre os seres humanos.

Vamos a um exemplo. Seja a segunda vinda de CRISTO. Essa segunda vinda é na verdade um plano divino, parte do grande plano da salvação. Para DEUS não era necessário prever JESUS voltar a essa Terra, e sim, anunciar que viria. Mas essa segunda vinda está inserida em um contexto profético bastante detalhado, de coisas que aconteceriam aqui na Terra, pela vontade do ser humano. É o caso da união das igrejas e do movimento do falso reavivamento. Não são atos de DEUS, mas dos homens. E DEUS previu que isso aconteceria um pouco antes de JESUS retornar a esta Terra. Pois está acontecendo. Logo, profecia é antever aquilo que outros irão fazer, e plano é aquilo que nós iremos fazer. E em profecias bíblicas há uma perfeita harmonia entre profecia e planos de DEUS, de tal maneira que na prática nem fazemos distinção um de outro.

Nesta semana estudaremos como DEUS usava os profetas. É bom para podermos distinguir o falso profeta do verdadeiro.

 

2.        Primeiro dia: Patriarca e profeta

O primeiro a ser chamado pelo nome profeta foi Abraão. Mas certamente ouve profetas antes dele, como foi o caso de Enoque, que andou com DEUS 300 anos, e então, sem passar pela morte, DEUS o levou para si, tamanha era a amizade entre os dois.

Abraão foi denominado como profeta quando Abimeleque tomou Sara, mulher de Abraão, pensando ser apenas a irmã dele. Foi um momento de fraqueza de Abraão, quando disse uma meia-verdade (isto equivale a uma mentira completa), que Sara era meia-irmã dele, mas não disse que também era sua esposa. Antes que se desfizesse o lar de Abraão, antes que se impossibilitasse o nascimento do prometido descendente, DEUS tomou providências para corrigir a falha de Abraão, e avisou a Abimeleque do que realmente se passava. E determinou que devolvesse a esposa de Abraão, pois era profeta, isto é, era um homem com quem DEUS falava com certa freqüência. Isso não significa que era o primeiro profeta, mas que era um profeta. E como tal, iria orar por Abimeleque para que nenhum mal lhe sucedesse.

Abraão era uma pessoa muito parecida a nós, tinha falhas, mas ele era chegado a DEUS. Mesmo com tendência a pecar, como todos os profetas, o que o distinguia dos demais seguidores de DEUS é que era um homem que permitia ser corrigido. Ele queria ser corrigido, e DUES assim o conduzia bem de perto. Ao longo da vida desse homem podemos ver uma crescente disposição em obedecer a DEUS. Ele era cada vez mais fiel aos princípios divinos, cada vez mais puro e santo, em um positivo processo de transformação. Assim, de fato, ele pôde ser um profeta, e com Sara, ser o início de um grande povo, aquele que se reserva para DEUS e para a vida eterna.

 

3.        Segunda-feira: O profeta do Êxodo

Moisés foi o grande profeta do povo de Israel, o maior de todos eles, maior mesmo que Abraão, o pai e profeta com quem a nação se originou. É dito pela Bíblia em Deut. 34:10 que tal como Moisés outro nunca mais se levantou em Israel, pois O Senhor falava com ele face a face.

Moisés foi educado por sua mãe por uma providência divina. Estava sendo preparado o libertador da nação. O Faraó mandara que se matassem todos os bebês masculinos, pois o povo de DEUS estava se tornando grande e forte. O Faraó se achava muito poderoso, e pensava que podia dominar em todas as questões. Mas DEUS, sobrepondo-Se ao rei egípcio, controlou os acontecimentos de tal modo que o libertador dos israelitas foi educado para esse fim com pagamento por parte do próprio palácio de onde se originara a ordem de morte às crianças masculinas. O libertador não foi morto, mas, pelo contrário, viveu por quase 30 anos junto ao trono do rei, e quase se torna rei dos egípcios. Só não substituiu o faraó porque não quis, preferiu servir ao DEUS de sua mãe. Esse é o poder de DEUS.

O que fez a diferença na vida de Moisés foram os 12 anos de educação que recebeu de sua mãe. Não foram os 28 anos que permaneceu no palácio sob influência pagã. Ela preparou um homem temente a DEUS, que conhecia a DEUS. Depois esse homem passou outros 28 anos no palácio, mas não se esqueceu do que sua mãe lhe ensinara. Porém, nesse palácio ele aprendeu muitas coisas que não ajudavam em nada para o plano de DEUS. Então Moisés passou outros 40 anos cuidando de mansas e humildes ovelhas. Ora, Moisés teve educação intensiva com sua mãe e teve também base científica no Egito. Moisés, versado também nas ciências dos homens, tornara-se um observador e aprendia com o que se passava em seu redor. Ele agora estava tendo aulas com animais, os cordeiros e as ovelhas, nos oásis e no silêncio do deserto. Quando ele ficou pronto, DEUS o chamou do meio da sarça em chamas. Moisés estava tão qualificado para a grande obra que ele não se achava capaz. DEUS estava precisando de um homem humilde, não de um general, e ali estava um homem com essas qualificações. Os humildes rejeitam atividades não porque não querem fazê-las, mas porque se acham incapazes. Assim foi com Moisés. E era um homem assim que DEUS queria, tão humilde que Ele, DEUS, pudesse agir por meio desse homem. Ainda hoje DEUS procura homens e mulheres, jovens e idosos com essa qualidade: humilde e submisso à vontade de DEUS. Essas são as qualificações que aqueles servos de DEUS terão quando a grande obra da pregação deverá chegar ao seu final. Serão homens e mulheres simples de coração, mansos e humildes, obedientes a DEUS, sinceras pessoas. Vejas como Ellen G. White descreve estes últimos servos: “Assim será proclamada a mensagem do terceiro anjo. Ao chegar o tempo para que ela seja dada com o máximo poder, o Senhor operará por meio de humildes instrumentos, dirigindo a mente dos que se consagraram ao Seu serviço. O obreiros serão antes qualificados pela unção de Seu Espírito do que pelo preparo das instituições de ensino. Homens de fé e oração serão constrangidos a sair com zelo santo, declarando as palavras que ‘DEUS’ lhes dá” (...) Os pecados de Babilônia ... tudo será desmascarado.” (Grande Conflito, 606, grifos acrescentados). “‘DEUS’ realizará uma obra em nosso tempo que poucos esperam. Ele suscitará e exaltará entre nós os que são mais adestrados pela unção de Seu Espírito, do que pelo preparo exterior de instituições científicas. Estes meios não devem ser desprezados ou condenados; eles são ordenados por ‘DEUS’, mas só podem fornecer as habilitações exteriores. ‘DEUS’ mostrará que não depende de seres humanos instruídos e cheios de si.” (Eventos Finais, 176, grifos acrescentados).

Moises tornou-se o homem mais manso da Terra. Suportou 40 anos de provocações e perdeu a paciência uma única vez. Foi o líder de um feito que pouco se divulga, no qual muitos nem acreditam, pois é algo impossível. Ao todo, os israelitas deveriam ser ao redor de umas três milhões de pessoas. É apenas uma estimativa, pois homens acima de 20 anos eram 600 mil. Imagine se é viável conduzir um contingente desse tamanho de gente pelo meio de um deserto, durante 40 anos. Eram pessoas embrutecidas pela longa escravidão que suportaram no Egito. Pessoas que foram fortemente impressionadas pelas formas de adoração e pelos costumes pagãos do Egito. De um momento para outro, DEUS os tira de lá. Como reeducar tantas pessoas? Como conduzi-los pelo deserto, sem esperar incidentes? Só há uma explicação para o bom êxito dessa empreitada: um homem extremamente paciente dirigido por um DEUS infinitamente sábio e poderoso. Moisés possuía as qualidades para um bom profeta: ele era uma pessoa humilde. As demais qualidades para ser um servo de DEUS, sem a humildade, não vale nada. E ele foi um bom profeta. Outro igual, só mesmo JESUS CRISTO, muito tempo depois. CRISTO foi igual a Moisés, e muito mais que ele.

 

4.        Terça-feira: Profetas em Israel

“O Senhor teu DEUS te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, semelhante a Mim: a ele ouvirás. ... Suscitar-lhe-ei um profeta do meio de seus irmãos semelhante a ti, em cuja boca porei as minhas palavras, e ele lhes falará tudo o que Eu lhes ordenar” (Deut. 18:15 e 18).

Houve uma sucessão de profetas designados por DEUS em Israel, o povo escolhido. Foram homens e mulheres pelos quais DEUS falava ao povo todo. Essa sucessão culminou em JESUS, o último profeta daquele povo, profeta elo de ligação entre o antigo povo e a atual igreja de DEUS. Assim diz a parábola do Senhor da vinha, que deixara os empregados cuidando dela enquanto estivesse no estrangeiro. Foram enviados vários servos da parte do Senhor para ver como estava a vinha, mas estes foram mortos. Enfim, o Senhor enviou Seu próprio filho, a quem também mataram. Estes enviados foram os profetas, e o Filho foi JESUS. O Senhor da vinha na parábola foi DEUS. Os versos acima, podemos entender, referem-se a todos os profetas enviados ao povo de DEUS. Eles sempre iam para os reis e líderes do povo, bem como aos sacerdotes. Mas nem sempre eram recebidos com humildade, muitas vezes foram mortos por causa das coisas que diziam. Mas eles diziam certas coisas porque DEUS os mandara dizer. Enfim, chegou o último profeta desse povo, e a Este crucificaram.

E depois não houve mais profetas? Houve sim, mas para cuidar e orientar a igreja. Temos um bom número deles que escreveram o Novo Testamento. Destaca-se o profeta João, que escreveu o livro de João, três cartas, e o livro profético mais importante para os nossos dias, o Apocalipse. Para a orientação da igreja no tempo do fim, temos a profetiza Ellem G. White, com a mais farta produção literária profética de todos os tempos. E em bem pouco tempo, outra vez se levantarão os profetas, quando todos seremos assim, para a conclusão da obra do anúncio do evangelho eterno. Essa pregação será realizada por profetas consagrados a DEUS, desde crianças a idosos, sejam homens, sejam mulheres, uma vez selados, todos terão o poder de falar em nome do Senhor. “Servos de ‘DEUS’, com o rosto iluminado e a resplandecer de santa consagração, apressar-se-ão de um lugar para outro para proclamar a mensagem do Céu. Por milhares de vozes em toda a extensão da Terra, será a mensagem dada a advertência. Operar-se-hão prodígios, os doentes serão curados, e sinais e maravilhas seguirão aos crentes. Satanás também opera com prodígios de mentira, fazendo mesmo descer fogo do céu, à vista dos homens. (Apoc. 13:13) Assim os habitantes da terra serão levados a decidir-se.” (Grande Conflito, 612, grifos acrescentados).

 

5.        Quarta-feira: Profetizas em Israel

DEUS chama tanto homens como mulheres para profetas. Chamou muito mais homens que mulheres. A explicação talvez seja pelas circunstâncias da época: se já era difícil a um homem ser profeta e suportar a constante forte oposição com maus tratos físicos, muito mais difícil seria para uma mulher. Quem sabe o que uma mulher tivesse que suportar da parte de certos líderes prepotentes, orgulhosos e sensuais? Pois bem, o fato de DEUS ter chamado algumas mulheres para profetizas é sinal que havia alguma restrição que não era o sexo, e sim, outros fatores, pois caso contrário, não teria chamado aquelas que se encontram nos relatos bíblicos. As causas certamente estão na sociedade extremamente machista daqueles tempos, não nas mulheres e nem em DEUS. Outro ponto a considerar é que no final dos tempos serão chamados a serem profetas tanto homens como mulheres (Atos 2:17 e 18). A situação certamente contribuiu para grandes perdas para a humanidade o fato de terem sido chamadas poucas mulheres para profetisas. Em compensação, a profetiza E. G. White produziu mais textos que todos os profetas juntos em todos os tempos.

A lição relata os casos de três profetizas do Velho Testamento, mas havia mais. Miriam parece que era uma espécie de porta-voz feminina da vontade de DEUS. Enquanto Moisés atuava com todo o povo por meio dos líderes, as mulheres podia perceber o apoio de Miriam a Moisés.

Débora aparece no relato dos conflitos entre Jabim, rei de Canaã e Israel (Juízes 4:4 a 24). Ela chamou Baraque para que formasse um exército contra os inimigos comandados por Sísera. Baraque disse que só iria na companhia de Débora. Ele confiava na profetiza, e a queria por perto. É bem seguro enfrentar inimigos com um profeta ou profetiza ao lado. Eu, estivesse no lugar de Baraque, faria o mesmo. Débora havia profetizado a destruição total dos inimigos, e a morte do comandante por parte de uma mulher. De fato, do exército não sobrou sequer um soldado (Juízes 4:16). E Sísera, comandante do exército do rei cananeu Jabim, abrigando-se na tenda de Jael, mulher de Héber, foi morto por ela enquanto, exausto, dormia. Ela cravou uma estaca da tenda em sua cabeça, martelando-o até cravar a cabeça no solo. Débora era também juíza, pois ela atendia debaixo de uma palmeira, numa região montanhosa (Juízes 4:5).

A profetisa Hulda vivia em Jerusalém nos dias do rei Josias. A situação espiritual de Israel era dramática. Eles provocavam DEUS queimando incenso a outros deuses (2 Reis 22:17). O rei Josias havia lido o livro da lei, e nele descobriu a infidelidade do povo de Israel. Mandou que consultassem a profetisa Hulda a respeito, e ela disse que os juízos descritos no livro lido realmente se cumpririam. Era uma profecia condicional, os juízos só seriam derramados sobre o povo se este fosse infiel. Pois a infidelidade ocorreu sistematicamente. Porém, Hulda disse que esses juízos não ocorreriam nos dias do rei Josias, pois ele havia decidido humildemente pelo retorno aos caminhos de DEUS.

As profetisas são tão importantes quando os profetas. Elas complementam o poder da mensagem de DEUS. Principalmente nesses dias finais, com a crescente valorização da mulher, mais que em todos os tempos anteriores, para a finalização da pregação do evangelho a todo o mundo, DEUS buscará profetas tanto homens como mulheres, sejam crianças ou adolescentes como idosos, de todas as idades.

 

6.        Quinta-feira: Profetas do Novo Testamento

Os livros do Novo Testamento apresentam uma pequena lista de profetas, tais como: Zacarias; João Batista; Ágabo (o que predisse grande fome); Barnabé; Simeão, Lúcio de Cirene; Manaém; Paulo e João o apóstolo. Destes, só Paulo e João escreveram, os demais não.

João Batista foi o maior de todos os profetas pois a grande profecia do Antigo Testamento sempre foi a primeira vinda de CRISTO. E João não só previu como preparou o caminho para que CRISTO viesse, ele viu o cumprimento dessa profecia e para completar batizou a CRISTO. Qual profeta do passado teve esse privilégio? Nenhum, só ele. Qual profeta do Novo Testamento teve esse privilégio? Nenhum, só ele. Veja bem, João tanto previu como foi o que preparou as condições para que JESUS entrasse em cena, e também viu JESUS.

Hoje nós estamos tendo idêntico privilégio de João Batista. Como ele, estamos anunciando a segunda vinda de CRISTO, e estamos preparando o cenário para que Ele venha. Que cenário é este? É o anúncio dessa vinda e da necessidade da preparação para recebê-Lo, para que todas as pessoas vivas do mundo saibam disso. Assim que todas souberem, Ele virá a este mundo. Essa é a nossa missão. Quando todos tiverem suficiente conhecimento de que há Um DEUS, e que JESUS volta mesmo, e como Ele deve ser adorado, decidam as pessoas do mundo aceitar essa mensagem ou não, o trabalho da proclamação estará concluído. Então, tal como João, O veremos voltando nas nuvens.

No tempo de JESUS, João, podemos dizer, foi o maior de todos os profetas anteriores, pois Ele viu o cumprimento da profecia, e foi o último a anunciar essa profecia. Mas os que vieram depois de João, viveram com JESUS e viram Seus poderosos sinais, eles viram a glória do Filho de DEUS. Isso João não pôde presenciar, estava preso, e logo depois foi morto. E nós, dos últimos tempos temos privilégio ainda maior, o de anunciar a vinda de JESUS, não como um homem humilde e pobre, mas em Sua total glória. Isso é ainda maior do que viram e vivenciaram os seguidores de JESUS em Seu tempo de homem entre nós. E aqueles que tiverem o privilégio de permanecer vivos e puderem ver a Sua gloriosa vinda no espaço sideral, esses sim, terão grande oportunidade, coisa impar, impressionante. Esses serão maiores que todos, pois, por um lado, passaram pela grande tribulação e antes disso foram selados, não podendo mais mudar de posição, estando portanto preparado para a sacudidura iminente e o dramático período das pragas. Mas, enfim, todos, de grande privilégio, ou dos primeiros a anunciar a volta de JESUS, terão igual recompensa: a vida eterna junto com aqu’Ele que anunciaram que viria.

 

7.        Aplicação do estudo Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

As glórias terrestres são atraentes. Muitas delas são magníficas. Elas seduzem pela possibilidade usufruí-las imediatamente. Mas há algumas observações. São glórias que, para usufruí-las, devemos esquecer o se passa do lado de fora, a miséria, as desgraças, a forme, violência, e tudo o mais. É preciso não ter sensibilidade com os seres humanos, nossos semelhantes, que não podem ter essas glórias. É preciso ser insensível ao princípio de que todos somos seres humanos, e que não deve haver uns que tem tudo e outros que tem nada. E para se ter muita glória terrestre é preciso que outros sejam explorados.

Além disso, a glória na Terra é para distinguir uns dos outros, os que podem dos que não podem, os que tem dos que não tem, os nobres dos humildes, os capazes dos não tão capazes. É uma glória que corrompe os princípios da convivência entre seres humanos. São os princípios mais elementares da boa convivência, pelos quais somos todos irmãos. O princípio básico é o amor. Como é que se pode dizer que amamos nosso próximo quando ingressamos na distinção de classes sociais que criam privilégios que são para poucos? O presente século é o que vende o deus do dinheiro, da fama ou prestígio e do poder. Com poucas exceções, as pessoas procuram a glória terrestre, os favores imediatos, mas passageiros e injustos. Quando não são todas as pessoas que podem usufruir algum bem, algo não está correto com a sociedade.

Moisés foi uma pessoa maravilhosa. Educado para a vida por sua mãe, um exemplo de mãe para todos os tempos, em poucos anos formou nele os princípios da vida eterna. Depois Moisés passou 28 anos num palácio maravilhoso. Algo para poucos. Ali ele poderia ter-se corrompido para as glórias terrestres, como acontece com muitos, com a maioria dos seres humanos. Mas Moisés preferiu algo ainda superior. Trocar o bom pelo melhor deve ser algo natural em nós seres humanos, desde que isso não aconteça às custas de outros seres humanos e nem seja para o aviltamento do caráter. Moisés, como Abraão, e outros, que tiveram quedas por suas fraquezas, almejaram durante as suas vidas, a glória de uma “pátria superior” a “cidade que tem fundamentos” (Heb. 11:14 e 10). Esse homem educado por uma mãe que sabia como fazê-lo, abandonou um palácio que já era para ele, e foi ser pastor de ovelhas. Uma troca que a revista moderna “Você AS” que exalta o EU POSSO, descreveria como exemplo de redundante fracasso. Mas depois desse ofício humilde, ele foi ser o líder da saída do povo de DEUS do Egito para Canaã. Chegando o tempo da posse da terra prometida, Moisés, por ser líder, e por ter cometido uma falha, pôde só avistar a terra. Ele não pôde nela entrar, nem usufruir. DEUS lhe disse que chegou a hora de descansar. Líderes influenciam o povo, líderes quando dão mau exemplo causam grande prejuízo junto ao povo. O povo, ou uma igreja é o que são seus líderes, poucos são os que não se deixam influenciar por outros homens ou mulheres.

Moisés subiu a montanha, como uma agia voa para o alto, para ali, no alto, morrer. Ele não sabia porque a sua morte seria no alto. Era a morte de um campeão em humildade e mansidão. Ali ele não ficaria por muitos dias. Dali o Seu Senhor, com quem ele falava face a face, mas não podia ver, viria buscá-lo para herdar, não a Canaã terrestre, mas a celestial. O que ele almejava teve por recompensa, mais do que tanto queria. Foi um precursor de todos nós por ter sido fiel ao seu Senhor. 


Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos.

http://www.cristovoltara.com.br/

marks@unijui.tche.br

 

El Profesor Sikberto Renaldo Marks, ha autorizado al Doctor Martínez a traducir y/o publicar sus comentarios semanales de la escuela sabática

 


 

[Acerca de Nosotros]  [Centro Internacional de la Escuela Sabática]  [Ministerios de Iglesia][Ministerio de la Salud] [Ministerio de la Palabra]  [Ministerio Profético] [ Ministerios Apologético] [Ministerios de Música]  [Ministerios Audio-Visual [Centro White MPM]  [Centro de investigación]  [Centro de Noticias MPM] [Historia IASD]  [Iglesias ASD en la Red]  [Escríbenos]  [Conozca a Marissa]  [Conozca al Dr. Martínez]  [Foto-Album  Familia Martínez [Home]